O colapso de traqueia em cães muitas vezes “se esconde” em sintomas simples do dia a dia, como uma tosse que não cessa no animal. Mas, apesar de parecer leve, o problema é grave e exige muita atenção, pois pode impedir a respiração do cachorro.

Trata-se de uma doença degenerativa e progressiva que não tem cura, mas os tratamentos podem reduzir o impacto e melhorar a qualidade de vida do cão.

Algumas raças tendem a sofrer mais com esse problema, que surge por uma diminuição da rigidez do músculo traqueal ou pela degeneração dos anéis traqueais. O médico veterinário deve observar os sinais clínicos como tosse seca, ronco, indisposição ou fadiga e ainda pedir radiografias para o correto diagnóstico.

Assim que é feito o diagnóstico de colapso de traqueia no cão, o profissional deve indicar o tratamento correto de acordo com o estádio da doença. E é sobre isso que trataremos neste artigo.

Caso você não conheça o Centro de Desenvolvimento da Medicina Veterinária, saiba que oferecemos cursos para capacitar os profissionais da área em diversos temas. Oferecemos o que existe de mais moderno para ajudar no seu desenvolvimento prático!

Quais são as causas do colapso de traqueia em cães?

Existem dois fatores principais que levam ao surgimento do colapso da traqueia no melhor amigo do homem: o fator genético e o “tipo” de anel da traqueia do cão.

No caso da genética, alguns animais estão propensos a sofrer maior degeneração da cartilagem da traqueia. Isso acaba por diminuir a sustentação do órgão, e então ocorre o seu colapso.

Já no segundo caso, o problema está em que, em algumas raças, os anéis da traqueia são mais moles. Isso acontece, por exemplo, com Yorkshire e Poodle. Neles, o envelhecimento acelera a deformação do órgão, dificultando a sua respiração.

Claro que a genética e a raça não determinam que o animal terá um problema na traqueia. Porém, são fatores de risco que merecem a atenção.

Se o cão apresentar minimamente qualquer sintoma, ele deve ser analisado com cuidado. O diagnóstico precoce é a melhor garantia de preservar a qualidade de vida dele. Em algumas situações, o tratamento exigirá até a realização de cirurgia.

Dentre os sintomas mais comuns de colapso de traqueia em cães, temos:

Logo, quando um tutor procura a clínica ou hospital relatando tais sintomas, o veterinário deve fazer uma avaliação do animal e solicitar a realização de exames para o correto diagnóstico.

Como trata-se de uma doença sem cura, o tratamento deve reduzir os danos e melhorar a vida do animal. Além disso, é recomendado o acompanhamento constante dele para monitorar a evolução da lesão.

Como funciona o diagnóstico do colapso de traqueia em cães?

Quanto antes o colapso de traqueia for diagnosticado, melhor para o cachorro. Por isso, ao atender um animal, oriente o tutor sobre a importância de prestar atenção aos sintomas mais comuns, principalmente em raças que exigem maior cuidado.

Em geral, o colapso de traqueia dá sinais com uma tosse leve e ganho de peso acentuado. Outros sintomas podem ser roncos altos, desmaios do cão e também mucosas azuladas (cianose).

Se esses problemas forem percebidos, o tutor deve comunicar logo ao veterinário. Assim, é possível fazer o correto diagnóstico ou mesmo eliminar qualquer dúvida sobre o surgimento da doença.

O diagnóstico do problema pode ser feito por meio de exames de radiografia, ultrassonografia ou outros semelhantes. Assim, é possível verificar certa torção na área da traqueia, que dificulta a respiração do animal.

Quando o estado é grave e a cirurgia não é possível, é preciso orientar os tutores a fazerem o controle de peso do animal. Assim, os efeitos do colapso da traqueia serão diminuídos.

Para melhorar a qualidade de vida do animal, também é preciso suspender a prática de atividades físicas, mantê-lo em um ambiente tranquilo, sem estresse. Estes cuidados vão ajudar a atenuar os sintomas da doença.

Como tratar colapso de traqueia em cães?

Como já comentamos acima, essa é uma doença crônica, ou seja, não tem cura. Por isso, o tratamento adequado dependerá do estágio diagnosticado.

Quando o colapso de traqueia ainda está em um estágio inicial, o tratamento mais comum é feito com medicamento. Os remédios devem aliviar o problema e facilitar a respiração do animal, ajudando na inibir o agravamento do quadro.

Ao se especializar na área, você saberá qual é o melhor medicamento em cada caso. Geralmente, são usados corticóides, broncodilatadores e antitussígenos. Assim como remédios à base de condroitina, substância indicada para tentar frear o avanço do colapso de traqueia em cães.

Em casos mais graves, por outro lado, pode ser preciso fazer uma cirurgia. Nesta situação, será colocada uma prótese para melhorar a respiração do animal.

Existem vários tipos de próteses no mercado, sendo mais comum o uso de uma que tem formato espiral. Ela é colocada no suporte da traqueia e passa a oferecer sustentação do órgão. Por isso, o ar passa facilmente e o cachorro não terá mais dificuldade para respirar, nem para se manter ativo.

Vale dizer que nem sempre a cirurgia é possível de ser feita. Por vezes, o colapso de traqueia tem chance de se repetir ou a região ser de difícil acesso.

Outros casos em que a intervenção cirúrgica não é indicada é para o tratamento de animais com problemas cardíacos, idosos ou obesos. Ela também não deve ser uma boa solução se o colapso acontecer em uma área muito extensa da traqueia.

Caso você opte por trabalhar nessa área, é recomendado que faça uma pós-graduação em pneumologia veterinária. Desta forma, poderá atuar nos cuidados contra doenças do sistema respiratório animal.

O CDMV também está nas redes sociais. Siga nosso perfil no Facebook e acompanhe as nossas novidades!

Esperamos que este conteúdo tenha eliminado suas dúvidas sobre colapso de traqueia em cães.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *